Do you need a proficient english speaking guide to rock climbing and trekking at Chapada Diamantina, Bahia, Brazil?
Send me a email pedrockmor@gmail.com or call me 55 75 9822 6988 and prepare yourself to have a intense and pleasant outdoor experience.

Wednesday, December 3, 2014

Trekking clássico na Chapada Diamantina, cachoeira da Fumaça por baixo. The classic trekking at Chapada Diamantina, down to Fumaça Waterfall pool and canyon

Canions da Fumaça e do rio Capivara. Fumaça and Capivara rivers canyons.

First day, after about 3 h walking, an impressive view, to the left the canyon of Fumaça Creek and to the right the capivara River canyon. Our goal for the day was a camping site, at a small cave-like camping site, perched at the cliff, just in front to the waterfall.

Primeiro dia de trilha, vista incrível, a esquerda o canion do córrego da Fumaça e a direita o canion do rio Capivara. Nosso objetivo era a toca da fenda, um local para campamento, encravado no penhasco, de frente para a cachoeira.


Começo da descida da trilha da Fenda. Beggining of the way down at the Trilha da Fenda (Big Crack's Trail).

Following our way through the Big Crack's Trail has its ups and downs, now is time to go down.

Seguindo nosso caminho para o acampamento na toca. Após algumas horas com vistas incríveis agora vamos é para baixo e avante.


Acampamento da Toca da Fenda. First camping site at the trilha da Fenda.

First camping site. Not much room but a big view...

Primeiro acampamento da toca, não é muito espaçoso mas a vista compensa...

Paredões do canion da Fumaça. Canyon walls of Fumaça Waterfall.

Part of the canyons walls by the Fumaça Waterfall seen from very close to the camping site, the tenuous spray at the middle/left is water. Here one needs a much wider lens...

Parte dos paredões próximos à queda da Fumaça. Dá para ver um pouco de água um pouco à esquerda, mas aqui falta uma lente com um campo bem maior... 

Poço da cachoeira da Fumaça. Fumaça Waterfall pool.

Low water allows you to just relax by the pool, this is a very remote place, comparing to the top of the Fumaça waterfall, one of the main viewpoints at Chapada Diamantina. 

Pouca água na cachoeira nos permite tomar um belo banho e relaxar ao lado do poço. Esse é um lugar bem remoto em relação ao topo da cachoeira, um dos principais mirantes da Chapada Diamantina.

Mesmo que anterior. Same as previous.

After some time enjoying the pool we went down the canyon of Córrego da Fumaça (Fumaça's Creek) until it meets the Capivara River, about two hours walking. Our destination now was the second camping site, by a waterfall named Capivara.

Depois de curtir o poço descemos o canion até onde o Córrego da Fumaça encontra o rio Capivara. Nosso destino é um local para acampamento, próximo à cachoeira da Capivara.

Trilha através de uma parte seca do córrego da Fumaça. Trail through an old channel of Fumaça Creek. The water here flows underground.

Rio Capivara, próximo ao segundo acampamento. Capivara River, close to the second camping site.

Once at the Capivara Waterfall is time to relax. A big pool and lots of room over warm rocks by the river are just what you need. 

Ao chegarmos no acampamento na cachoeira da Capivara é só relaxar, um poço enorme, muito espaço nos lajedos quentes do sol da tarde é tudo que você precisa.

Lajedos acima da cachoeira da Capivara; Rock ledges at the top of Capivara Waterfall.

There is a fruit, which grows by the river, its name is Mucugê (Couma rigida, Apocynaceae). A city here at Chapada was named after it. The trees grow inside the canyons and the fruit is very hard to find in the normal fruit shops. The best is to try this delicious fruit while on trekking.

O Mucugê é uma fruta cuja árvore cresce nos cânions, bem próximo ao leito dos rios. Deu o nome à cidade de Mucugê, 
aqui na chapada. Não se encontra facilmente para vender, in natura, nas quitandas. O bom mesmo é experimentá - la na trilha, em seu ambiente natural.

Mucugê (Couma rigida, Apocynaceae)

After waking up by the morning of the third day we follow downriver for some minutes. We follow then a steep trail to the left, which will take us to the Palmital Waterfall and its cascades. 
After refreshing in the pool we follow to the next stop, at the Toca da Onça viewpoint.

Pela manhã do terceiro dia depois de andarmos rio abaixo por alguns minutos, pegamos um trilha íngreme, à esquerda, que nos levará à cachoeira do Palmital. Depois de descansarmos continuamos a trilha até o mirante da Toca da Onça, onde fazemos uma boa parada para descansar e comer.


Córrego do Palmital.

Mirante da Toca da Onça. Toca da Onça viewpoint.

After resting at the viewpoint our destiny is Lençóis. After three hours we arrive at the Ribeirão River, famous for its beautiful waterfalls and pools, including a natural waterslide of almost 20 meters. 

Depois do descanso no mirante nosso destino é Lençóis. Depois de cerca de três horas chegamos ao rio Ribeirão, famoso por seu tobogã natural, no lugar conhecido como Ribeirão do Meio 

Rio Ribeirão, acima do tobogã. Ribeirão River, cerca de 40 minutos de Lençóis. Above the natural waterslide, 40 minutes from Lençóis.



Monday, August 11, 2014

Travessia Vale do Capão até Igatú, cinco dias pelo lado B do Vale do Pati, Chapada Diamantina. From Vale do Capão to Igatú, a trekking through the wild side of Pati Valley.


View to the Pati Valley from the Gerais do Vieira (Vieira's Grasslands), to the left there is Monte Peito (Chest Hill) and to the right Morro do Castelo (Castle Hill)). Vista do Vale do Pati, desde os Gerais do Vieira, à esquerda o oMnte Peito e à direita o Morro do Castelo

The first day was very rainy, windy and cold at the Gerais do Vieira grasslands. We left Vale do Capão and our destiny was a camping ground at the border of Pati Valley. There are no houses for lodging, here begins the wild side of Pati Valley.

Nosso primeiro dia foi chuvoso, com muito vento e frio nos Gerais do Vieira. Nosso destino era um acampamento próximo à entrada do Vale do Pati, pela area conhecida como Calixto, onde não existem casas para hospedagem. É o começo de nossa jornada pelo lado B do Vale.

Calixto Waterfall, where there is a good camping ground. Cachoeira do Calixto, onde existem bons lugares para armar barraca.

However, after finding there was a dead donkey at the camping ground we had to move further. At least the carcass had attracted some King Vultures (Sarcoramphus papa), an amazing bird, which is very difficult to sight. Then we went down through a beautiful forest, until a camping near the Calixto Waterfall, at the Lapinha River. 

Ao chegar ao local de acampamento encontramos lá um burro morto, era completamente impossível ficarmos ali. Pelo menos a carcaça atraiu alguns urubus - rei (Sarcoramphus papa), ave impressionante e raramente avistada. Daí seguimos adiante até um acampamento na cachoeira do Calixto, no rio da Lapinha.

Cascades by the Tree's Pool. Cascatas no Poço da Árvore.

The second day, still a bit rainy, took us to our second camping ground, near the wonderful pool of the Poço da Árvore (Tree's Pool). 

No segundo dia, ainda um pouco chuvoso, chegamos ao nosso segundo acampamento, próximo ao Poço da Árvore. 


Ther Castle Hill viewed from the south. Morro do Castelo, vista de sua face sul.





For the third day our mission was to arrive at the Guaribas River Canyon where there is a great camping ground. This is a place seldom visited by comercial tours, no more houses for lodging.

No terceiro dia nossa missão foi chegar até rio Guaribas, onde há um lugar para acampamento, abrigado sobre lajes de pedra. Esse local é raramente visitado por turistas.

Castle Hill and Monte Peito to the right. Morro do Castelo e Monte Peito.


Guaribas River Canyon entrance, the camping grund is to the right, just by the river. Entrada do canion do Rio Guaribas, o acampamento fica à direita, bem próximo ao rio.

After a pleasant, and deserved rest, we went downriver to the where the Pati and Paraguassú rivers meet. This is an amazing place, with a broad view over a huge river bed of white rocks. We made camp at a small sand place, very enjoyable.

Depois de um bom e merecido descanso, seguimos rio abaixo até onde os rios Pati e Paraguassú se encontram. Esse lugar maravilhoso tem uma vista bem ampla do entorno, perfeito para admirar o céu incrível da Chapada. No meio de pedras brancas se formam poças que refletem a luz dourada do entardecer.

Paraguassú River bed. Leito do rio Paraguassú.

In the fifth day we had to walk until Igatú, a small and charming village built in the middle of rocks in the golden years of diamond mining. From the Paraguassú river there is a trail, Cain's Ramp, very demanding, it took us two full hours under the sun to climb it all. In the end we were rewarded with one of the most impressive views in Chapada Diamantina, the canyons of Paraguassú and Pati rivers.

No quinto dia andamos até Igatú, uma pequena e simpática vila, construída em meio às rochas, durante o ápice do garimpo de diamantes na região. saindo do leito do rio Paraguassú há uma trilha, a Rampa do Cain. Bem exigente esse trecho, levamos duas horas subindo sob um sol escaldante. No final porém fomos recompensados com uma das vistas mais incríveis da Chapada Diamantina, o Mirante da Rampa do Caim.

Meeting of the rivers Paraguassú and Pati. Encontro dos rio Paraguassú e Pati.

Tuesday, May 27, 2014

Sossego Waterfall, one of the best day hikes from Lençóis. Cachoeira do Sossego, um dos melhores passeios de um dia próximo a Lençóis



I already made a post about this amazing place, check it out, very close to Lençóis. After two hours hiking, on average, we arrived at this very beautiful waterfall called Sossego, which means peacefulness. Follows some new pictures taken by the dutch photographer, writer and tour guide Tom van der Leij, Toms Travels Tours.

Fiz uma postagem sobre esse lugar incrível, confira, próximo a Lençóis, são aproximadamente duas horas de caminhada, parte por trilha e parte dentro do cânion ao lado do rio. Aqui vão algumas fotos feitas pelo fotógrafo, escritor e guia Tom van der Leij, Toms Travels Tours.








Uma planta típica dos lajedos aqui na Chapada Diamantina, Vellozia sp. A typical plant form the rocky ground at Chapada Diamantina, Vellozia sp.

Tuesday, May 6, 2014

Trekking Vale do Pati, three days trekking from Vale do Capão to Andaraí

Mirante no Gerais do rio Preto, ao fundo Morro do Castelo e parte do Vale do Pati conhecido como Calixto. Viewpoint at Gerais do rio Preto, in the background the Morro do Castelo (Castle Hill) and part of pati Valley known as Calixto.




Lajedo no Gerais do rio Preto, em primeiro plano uma bromélia. Rocky ground at Berais do rio Preto (Black River), in the foreground a Bromeliad.




Lajedo no início do vale do Cachoeirão do Pati. Rock ground at the beginning of Cachoeirão Valley.






Poço no fundo do vale do Cachoeirão. Pool at the bottom of the Cachoeirão Valley


Mirante Cachoeirão, no fundo parte do Vale do Pati. Viewpoint to the Cachoeirão Valley, in the background the Pati Valley.


Mirante do lado esquerdo do Cachoeirão. Left side viewpoint to the Cachoeirão.


Mais vistas para o vale. More views to the valley.



Morro do Castelo. Castle Hill.





Casa conhecida como prefeitura, antigo posto de negociação de café no Vale do Pati. House known as Prefeitura (City Hall), an old place for dealing coffee at Pati Valley.


Trilha através do vale. Trail across the valley.


All photos taken by Tom Van der Leij. Toms Travel Tours

Tuesday, February 11, 2014

Travessia Cachoeirão até a Toca do Morcêgo, Vale do Pati, Chapada Diamantina. Pati Valley trekking from Cachoeirão Waterfall to the Toca do Morcego balneary at Paraguassú River.

Encosta leste da Serra do Sincorá. / East ridge of Sierra do Sincorá.

 Começando o dia subimos a encosta leste da Serra do Sincorá para chegar aos Gerais do rio Preto, uma das entradas para o Vale do Pati, na Chapada Diamantina. O Vale do Pati é um dos principais destinos, senão o principal atualmente, para a prática de trekking na Chapada. Inúmeras trilhas cruzam o vale, umas mais frequentadas, outras menos. A área mais visitada fica na parte norte do vale, conhecido como Pati do meio. À medida que percorremos o vale rio abaixo a frequencia de visitantes diminui bastante. Nesse trekking percorremos algumas trilhas pouco frequentadas e visitamos lugares relativamente remotos.

To start we walked up the east ridge of Serra do Sincorá, afterwards arriving at the Gerais do Rio Preto, gerais is the world for our altitude grasslands. The trail described in this post is one entry to the Vale do Pati. This valley nowadays is the main trekking destination in Chapada Diamantina, its northern part is the most visited. The trekking described in this post goes south, to less popular, wilder places.

Morro Branco do Pati à direita e Morro Manoel Vitor à esquerda, vistos do Gerais do Rio Preto. White Hill of Pati Valley, right, and Manoel Vitor Hill, left, seen from the Gerais do Rio Preto.

 Nosso objetivo no primeiro dia foi chegar próximo ao mirante do   Cachoeirão, onde na época de chuvas diversas cachoeiras caem das  paredes rochosas para dentro do canion, que tem cerca de 250 metros de altura, rivalizando em beleza com a própria cachoeira da Fumaça. 

Our goal in the first day was to arrive at the top of Cachoeirão, where in raining times several waterfalls falls from holes in the huge walls of the canyon. It's one of the most impressive sights at Chapada, rivaling with Fumaça Waterfall itself.

Cachoeirão, repare as pessoas no mirante acima. Cachoeirão Waterfall, notice people at the top.   

Depois de uma agradável caminhada pelos gerais armamos a barraca já no começo da noite. No dia seguinte, que amanheceu bem nublado e chuvoso, por volta das 11:00 a.m. nos deleitamos com o visual das cachoeiras, realmente único. Sem dúvida um dos lugares mais belos da Chapada. 

After a pleasant walk through the gerais we put the tent at dusk. Next morning was cloudy and a light drizzle keep us in the tent until 10:00 a.m. Afterwards the sky cleared and we had a most awesome view to the Cachoeirão Waterfalls. Without a doubt one of the most beautiful places at Chapada Diamantina.

Cachoeirão. More of the Cachoeirão Waterfall.

Mais Cahoeirão. Same as above.

 Nesse segundo dia nossa missão dia foi chegarmos até uma toca, que fica na foz do rio Guaribas, um afluente da margem direita do do rio Paty. Esse rio percorre um cânion belíssimo, com diversas cascatas e poços. 

For the second day our goal was to arrive at a toca, these are stone refuges used in the early times by hunters and miners which now are a good option for trekkers. This toca is located at the confluence of Pati and Guaribas rivers. The last one is a tributary to the right side of Pati River, it flows through a beautiful canyon, full of cascades and pools.


Saída do Rio Guaribas para o rio Pati, nosso acoampamento foiu à esquerda, atrás das rochas. Confluence of Pati and Guaribas rivers, our camping ground is at left, behind the rocks.



Passagem estreita no início do canipon do rio Guaribas. Narrows at the beggining of Guaribas river canyon.
 
No terceiro dia, depois de quase cinco horas de caminhada rio acima, chegamos a uma pequena cachoeira, cuja água escorria do paredão à sua direita. 

In the third day, after almost five hours walking upriver, we arrived at a waterfall by the huge rocky walls of the canyon. After relaxing by the pool we started down, to our cozy camping at the toca.

Cachoeira do Guaribas. Guaribas River Waterfall

Acampamento. Camping ground at the toca.

 Depois de mais uma noite bem agradável na toca, onde havíamos armado apenas o interior da barraca, descemos o rio Paty, passamos pela confluência com o rio Paraguassú e continuamos rio abaixo, até o local conhecido como Toca do Morcego, um tipo de balneário fluvial nas margens do rio Paraguassú. 

After a good sleep at our toca we went down the Paty River, following a trail by the left side of the river, until a Place called Toca do Morcêgo (The Bat's Hollows), a kind of balneary at the Paraguassú River.

Poço incrível nas margens do rio Pati. Amazing pool at Pati River.

 Esse dia foi longo e um pouco cansativo, o fato de ser a primeira vez que passávamos por esse trecho tornou a jornada um pouco mais lenta. Diversas vezes perdemos a trilha e seguimos pelo leito do rio. Durante o dia passamos por locais incríveis, infelizmente não tínhamos tempo para curtir todos eles pois queríamos chegar ao fim enquanto houvesse luz do dia. Quase conseguimos. Após cerca de seis horas caminhando, chegamos ao entardecer e fomos resgatados e levados direto para Lençóis.

This fourth and last day was a bit longer than we expected and a bit tiring. The fact that was our first time there made our journey a bit slower. Anyway we saw amazing places but unfortunately we couldn't sopt too much cause we were trying to arrive at our destiuny with at least a bit of daylight, We almos did it. After six hours walking, with some resting for sure, we arrived at the Toca do morcêgo where a car was waiting to take us back to Lençóis.

Rio Paraguassú. Paraguassú River.